Nota importante

"Nota importante: estas informações provavelmente não são para você a não ser que você assuma total responsabilidade por sua vida e criações" Adamus Saint-Germain

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

O que vamos criar hoje?

Imagem: Paintbrush Warrior - Mark Henson
Querer é não poder.

A vibração do querer é a própria vibração da falta, da carência, da necessidade, do fracasso e frustração.


Quando nossa alma emite um impulso em uma direção e nossa fé permite, vamos direto naquela direção, este impulso não passa pela fase do querer.


Com fé suficiente, agimos sempre no sentido certo da nossa realização. Agir é poder.


Quando você quer você não tem. Já quando você age na direção de um impulso vindo do coração, sua fé lhe dirá que aquilo será seu. Conquistar a partir do querer requer um grande esforço, pois está em desalinhamento com o equilíbrio universal. É nosso ego nos dizendo o caminho a seguir.


E por que queremos tanto? Ora, esta é fácil, porque estamos muito acostumados a darmos mais atenção ao que não temos do que ao que temos. Reclamamos muito e agradecemos pouco. Ficamos tristes pelo dinheiro que não temos ao invés de ficarmos felizes pelo que temos. Choramos pelos cabelos que caíram ao invés de nos parabenizarmos pelos que permaneceram. Este é o hábito da negatividade maquiada, quando se tornou tão normal almejar o que não se tem como se conquistar coisas fosse a única razão de se viver. Se o oposto fosse verdadeiro, a gratidão pelo que somos e já temos nos traria cada vez mais e com mais facilidade aquilo que gostamos.


Para os que estão despertando, esta fase tão materialista já está com seus dias contados. Para os que ainda escolhem viver a busca das cansativas e repetitivas satisfações emocionais oferecidas no mundo das aparências, os aprendizados e frustrações só estão começando.


Quando nossas crenças não nos limitam, mas apenas suportam o alinhamento de nossa alma com nossas ações, nosso foco vira-se para o que é possível e não ao impossível. Nossa realização não depende de conquistas, pois estas só são satisfatórias nos níveis mais baixos do ser, quando ainda estamos iludidos com a separação de tudo. Conquistas sobre dificuldades autogeradas que nos levam a mais liberações emocionais, sustentando o vício no estilo de vida baseado em descargas químicas e eletromagnéticas em nossos corpos inferiores. Emoções boas ou emoções ruins, tanto faz, ambas pertencem à dualidade e à crença na separação. Neste nível de consciência, perseguir o bom, o belo ou o perfeito é tão ilusório quanto perseguir qualquer outra coisa. O que precisamos conquistar quando já temos a consciência de que somos um com tudo-o-que-há?


Para o ser desperto, aquilo que nos falta é apenas um impulso do que está para ser criado e, mesmo assim, "falta" talvez não seja ainda a melhor palavra a ser usada aqui.


Parem e respirem, sintam o que é este descontentamento em vossas barrigas. Este querer sem nome, esta falta não sei do quê. Será que não é sua criatividade lhe chamando a atenção? Pois sem as crenças limitantes, os medos e tudo o que usamos para justificar as dificuldades, este impulso que vem direto de nosso coração sobe para acessarmos nossa criatividade, se empodera de fé e desce direto ao plexo solar para se transformar em ação. Nenhuma carência existiria, nada colocaria em dúvida esta capacidade Divina que temos de criar e de manifestar o máximo que podemos ser.


A criatividade é uma das qualidades Divinas que temos. O alinhamento necessário para a manifestação de nossas criações a partir do coração é uma das mais altas vibrações que podemos alcançar e não inclui a fase do querer. É impulso atrás de impulso, insight atrás de insight que flui livremente da Fonte eterna e infinita de tudo-o-que-há.


Manifestação é a atualização física de algo que já existe em planos superiores do nosso ser. Quanto mais elevada for nossa consciência, mais benéficas e colaborativas são nossas criações.


O que vamos criar hoje?

Rodrigo Durante

www.rodrigodurante.com.br